Prematuros





Vacinas Esquemas e recomendações Comentário
BCG ID Em recém nascidos (RNs) com peso maior ou igual a 2.000g. Se peso de nascimento inferior a 2.000g, adiar a vacinação até que o RN atinja peso maior ou igual a 2.000g. Deverá ser aplicado o mais precocemente possível,de preferência ainda na maternidade, em recém nascidos com peso maior ou igual a 2.000g.
Haemophilus influenzae tipo b A combinação da vacina tríplice bacteriana acelular (dTpa) com a Hib e outros antígenos são preferenciais, pois permitem a aplicação simultânea e se mostraram eficazes e seguras para os RNPTs. Na rede pública, para os RNPTs extremos, a DTPa é disponibilizada pelos Centros de Referência para Imunológicos Especiais (Cries) e, nesses casos, a conduta do Ministério da Saúde é adiar a aplicação da vacina Hib para 15 dias após a DTPa. O reforço da vacina Hib deve ser aplicado nessas crianças aos 15 meses de vida.
Anticorpo monoclonal específico contra VSR (palivizumabe) Recomendadas doses mensais consecutivas de15mg/kg de peso. Prematuros até 28 semanas gestacionais, no primeiro ano de vida. Prematuros até 32 semanas gestacionais, nos primeiros 6 meses de vida. Bêbes com doença pulmonar crônica da prematuridade e/ou cardiopatia congênita, até o segundo ano de vida, desde que em tratamento das patologias nos últimos 6 meses. Utlizar inclusive em RNs hospitalizados. Deve ser aplicado nos meses de maior circulação dovírus, o que depende da região do Brasil: Norte, de janeiro a junho; Sul, março a agosto; Nordeste, Centro-oeste e Sudeste de fevereiro a julho. O uso em portadores de doença pulmonar crônica e/ou cardiopatias congênitas está indicado independente da idade gestacional ao nascer.
Hepatite B Aplicar a primeira dose nas primeiras 12 horas de vida. Quatro doses em RNs nascidos com peso inferior a 2.000g. Os RNs de mães portadores do vírus da hepatite B devem receber ao nascer, além da vacina,imunoglobulina específica para hepatite B (HBIG) na dose de 0,5ml via intramuscular, logo após o nascimento, até, no máximo, o sétimo dia de vida. A vacina deve ser aplicada via intramuscular. Em bebês nascidos com menos de 2.000g recomenda-se aplicar quatro doses com 0 - 1 - 2 - 6 meses,
Meningocócicas Vacinar na idade cronológica, iniciando a partir dos 6 meses de vida, de acordo com a sazonalidade do vírus. Sempre que possível, preferir a vacina meningo ACWY noesquema básico ou nos reforços, na sua impossibilidade, utilizar a vacina meningo C conjugada. A fim de reduzir a frequência de eventos adversos, a vacina meningo B deve ser aplicada preferencialmente em separado das vacinas pneumo e pertussise deve-se considerar o uso de antitérmico profilático.
Pneumocócica conjugada Iniciar o mais precocemente possível (aos 2 meses), respeitando a idade cronológica. Três doses aos 2, 4 e 6 meses e um reforço entre 12 e 15 meses. Recém-nascidos pré-termo (RNPTs) e de baixo peso ao nascer apresentam maior risco para o desenvolvimento de doença pneumocócica invasiva, que aumenta quanto menor a idade gestacional e o peso ao nascimento. O esquema deve ser iniciado o mais precocemente
possível, de acordo com a idade cronológica. O PNI adotou a partir de janeiro de 2016, esquema de duas doses da VPC10 aos 2 e 4 meses de vida, com reforço aos 12 meses.
Poliomelite inativada Vacinar na idade cronológica, iniciando aos 2 meses de vida. Preferir as vacinas combinadas: DTPa-HB-VIP-Hib e DTPa-VIP-Hib.
Rotavírus Não utilizar a vacina em ambiente hospitalar. Por se tratar de vacina de vírus vivos atenuados, a vacina rotavírus só deve ser realizada
após a alta hospitalar, respeitando-se a idade máxima limite para administração da primeira dose (3 meses e 15 dias).
Tríplice Bacteriana (difteria, tétano, coqueluche) - dTpw e dTpa Utilizar preferencialmente vacinas acelulares. A utilização de vacinas acelulares reduz o risco de eventos adversos. Em prematuros extremos, considerar o uso de analgésicos/antitérmicos profiláticos com o intuito de reduzir a ocorrência desses eventos, especialmente reações cardiovasculares.
Influenza Vacinar na idade cronológica, iniciando a partir dos 6 meses de vida, de acordo com a sazonalidade do vírus. Desde que disponível,a vacina influenza 4V é preferível à vacina influenza 3V, por conferir maior cobertura das cepas circulantes, Na impossibilidade de uso da vacina 4V,utilizar a vacina 3V.
Imunglobina humana anti-hepatite B (IGHAHB) Para RNs de mães portadoras do vírus da hepatite B: 0,5 mLvia intramuscular. Aplicar preferencialmente nas primeiras 12 a 24 horas de vida, até, no máximo,o sétimo dia de vida.
Imunoglobina humana antivaricela-zóster (IGHVZ) Está recomendada nas seguintes situações: Para prematuros nascidos entre 28 semanas e 36 semanas de gestação expostos à varicela, quando a mãe tiver história negativa para varicela. Para prematuros nascidos com menos de 28 semanas de gestação ou com menos de 1.000g de peso expostos à varicela, independente da história materna de varicela. Independete da idade gestacional ou peso ao nascimento, recomendar para RN cuja mãe tenha apresentado quadro clínico de varicela de cinco dias antes até dois dias depois do parto.
Imunoglobulina humana antitetânica (IGHAT) Está recomendada na dose de 250 Ul, por via IM. Para RNs prematuros com lesões potencialmente tetanogênicas, independente da história vacinal da mãe. Independente da idade gestacional ou PN, deve ser aplicada para RNs prematuros sob risco potencial de tétano.