Gestantes





Vacinas Esquemas e recomendações Comentários
RECOMENDADAS
Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa) / difteria, tétano e coqueluche Dupla adulto (dT) / difteria, tétano Histórico Vacinal Conduta na gestação A dTpa está recomendada em todas as estações, pois além de proteger a gestante e evitar que ela transmita a Bordetella pertussis ao recém-nascido, permite a transferência de anticorpos ao feto protegendo-o nos primeiros meses de vida até que possa ser imunizado. A melhor época para a aplicação de dTpa é entre a 27ª e a 36ª semana, pois permite a transferência de maior quantidade de anticorpos maternos para o feto, mas pode ser aplicada a partir da 20ª semana. Mulheres não vacinadas na gestação devem ser vacinadas no puerpério, o mais precocemente possível. A vacina está recomendada mesmo para aquelas que tiveram coqueluche, já que a proteção conferida pela infecção não é permanente. Na falta de dTpa, pode ser substituída por dTpa-VIP, ficando a critério médico o uso off label em gestantes.
Previamente vacinada, com pelo menos três doses de vacina contendo o componente tetânico Uma dose de dTpa (entre a 27ª e 36ª semana de gestação).
Em gestantes com vacinação incompleta tendo recebido apenas uma dose de vacina contendo o componente tetânico. Uma dose de dT e uma dose de dTpa, sendo que a dTpa deve ser aplicada entre a 27ª e a 36ª semana de gestação. Respeitar intervalo mínimo de um mês entre elas.
Em gestantes com vacinação incompleta tendo recebido apenas duas doses de vacina contendo o componente tetânico. Uma dose de dTpa (entre a 27ª e 36ª semana de gestação).
Em gestantes com vacinação desconhecida. Duas doses de dT e uma dose de dTpa, sendo que a dTpa deve ser aplicada entre a 27ª e a 36ª semana de gestação. Adotar esquema 0 - 2 - 4 meses ou 0 - 2 - 6 meses. Respeitar intervalo mínimo de um mês entre elas.
Hepatite B Três doses no esquema 0 - 1 - 6 meses. A vacina hepatite B é recomendada para todas as gestantes suscetíveis.
Influenza (gripe) Dose única anual. A gestante é grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus nfluenza. A vacina está recomendada nos meses da sazonalidade do vírus, mesmo no primeiro trimestre de gestação. Desde que disponível, a vacina influenza 4V é preferível à vacina influenza 3V, inclusive em gestantes, por conferir maior cobertura das cepas circulantes. Na impossibilidade de uso da vacina 4V, utilizar a vacina 3V
RECOMENDADAS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS
Hepatite A Duas doses, no esquema 0 - 6 meses É vacina inativada, portanto sem contraindicação. Já que no Brasil as Situações de risco de exposição ao VHA são frequentes, a vacinação deve ser considerada.
Hepatite A e B Para menores de 16 anos: duas doses, aos 0 - 6 meses. A partir de 16 anos: três doses, aos 0 - 1 - 6 meses A vacina combinada é uma opção e pode substituir a vacinação isolada das hepatites A e B.
Pneumocócicas Esquema sequencial de VPC13 e VPP23 pode ser feito em gestantes de risco para doença pneumocócica invasiva (DPI). A VPC13 está licenciada até 17 anos e a partir dos 50 anos de idade, ficando a critério médico sua recomendação entre 18 e 49 anos de idade (off label). VPC13 e VPP23 são vacinas inativadas, portanto sem riscos teóricos para a gestante e o feto.
Meningocócica conjugada ACWY Uma dose. Considerar seu uso avaliando a situação epidemiológica e/ou a presença de comorbidades consideradas de risco para a doença meningocócica. As vacinas meningocócicas conjugadas são inativadas, portanto sem risco teórico para a gestante e o feto, devendo ser consideradas em situações de risco epidemiológico. Na indisponibilidade da vacina meningocócica Conjugada ACWY, substituir pela vacina meningocócica C conjugada.
Meningocócica B Duas doses com intervalo de um a dois meses. Considerar seu uso avaliando a situação epidemiológica e/ou a presença de comorbidades consideradas de risco para a doença meningocócica. A vacina meningocócica B é inativada, portanto sem risco teórico para a gestante e o feto, devendo ser considerada em situações de risco epidemiológico.
CONTRAINDICADAS
Febre amarela Contraindicada na gestação. Porém, o médico deve avaliar sua utilização quando os riscos de adquirir a doença superam os riscos potenciais da vacinação. Gestantes que viajam para países que exigem o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) devem ser isentadas da vacinação pelo médico assistente, se não houver risco de contrair a infecção. é contraindicada em nutrizes até que o bebê complete 6 meses; se a vacinação não puder ser evitada, suspender o aleitamento materno por pelo menos 15 dias e preferencialmente por 30 dias após a imunização.
Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) Não vacinar na gestação. Pode ser aplicada no puerpério e durante a amamentação.
HPV Não vacinar na gestação. Se a mulher tiver iniciado esquema antes da gestação, suspendê-lo até puerpério. Pode ser aplicada no puerpério e durante a amamentação.
Varicela (catapora) Não vacinar na gestação. Pode ser aplicada no puerpério e durante a amamentação.
Dengue Não vacinar na gestação. Contraindicada para mulheres amamentando.